Sunday, September 20, 2009

O outono que vier



Saímos de casa para receber o outono. As palavras eram cada vez mais lentas como se tentássemos hibernar a espontânea existência de quando é verão. Coleccionávamos a cidade, cada pedaço, cada sonoridade, cada pessoa, mesmo aquelas que já havíamos coleccionado em outonos anteriores.
Sabíamos que estava para chegar o frio e o mais terno confronto com a intimidade.  Sabíamos que ninguém nos consegue roubar o coração por esta altura. E sentamo-nos. Sentamo-nos como se um longo filme passasse pela nossa vida e não resistisse a contar o quanto já vivemos, mesmo sendo futuro o outono.
Neste tempo, diz-nos então o silêncio que o devir é uma espécie de paixão entre as idades, é um doce desconhecimento, uma equação intraduzível, um resultado que, mesmo pondo-nos mais próximo do fim, nos distancia e nos exila nesse lugar futuro com vista para o que é de sempre e nos ampara e reinventa.

Tuesday, September 15, 2009

Breve de Verão 14

Sobre esta foto de Isaac Pereira

Atiram-se a nós as memórias. São bichos.
Feras que nos mordem e deixam a agonizar no mundo a idade.

O tempo não morre nunca. Mas despede-se.